Transe em Rubi

Transe em Rubi

Que faço hoje?
Eu…
Pobre coitada!
Esperando uma migalha de teu gosto amargo
Sádica, viciada!
Desejosa de teu toque aveludado
Amacio meus lábios com a língua
Em pensamento te sinto na boca
Logo fico à míngua
Alma louca
Inebriada
Anestesiada em tons rubis e rosáceos
Pele aquecida, corada
Até com o pior dos homens o ouvido estremece
Mais uma taça e fico excitada
Néctar amado
Amante
Me salvas nas piores horas
Me levas quando queres
Me fazes gozar
Não à toa Dionisio disfarçou-se de Baco
Tentando a amada ludibriar
Quem dera os homens conhecessem teu segredo
Jamais errariam na dose
Nunca pediriam mais uma taça
Saberiam o exato momento de te usar
E seriam teu aliado
Nos levariam como crianças ao parque
E a vida seria pleno êxtase
Um eterno transe em rubi.


Harley Wanzeller. 10.09.2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *