Sentido? Sem tudo! Sem nada… Adriano Alves-Marreiros

Sentido? Sem tudo! Sem nada…

                                       Adriano Alves-Marreiros

 

Comecei a também morrer,

Naquela primeira morte,

No caixão também estava eu:

Metade de mim…

Tive que prosseguir por que assim é, Carlos,

Porque vc não morre, José,

E duro segui por uma alameda de túmulos,

E até sem eles,

Sem conseguir enterrar todos…

Sem conseguir enterrar nenhum,

Enterrando apenas a esperança,

Que não foi a última, mas a primeira…

Não, Harry, seu espírito não perde uma parte quando você mata,

Mas quando eles morrem…

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *