O Intolerante

O intolerante

Pobres, pobres…
Incapazes de respeitar o pensamento alheio,
São exatamente os que não convivem com suas próprias rejeições.
Ao pequeno e promíscuo pobre,
A autofagia da intolerância.
A amargura
A falta de amor
A carência
A indolência
A insensatez
A desfaçatez
A arrogância
A própria ganância,
Sagaz ganância…
Capaz de apropriar-se da opinião alheia.
Hábil a seduzir pelo prazer temporal.
Irresponsável, esconde a verdade,
Maquia a realidade,
A vende como mentira,
Ante o flerte com a falsidade.
Pobres corações.
Pregam intolerância.
Arrotam amor, como se de amor vivessem.
Falam de paz, e trabalham para a guerra.
Lutam pela divisão humana em classes,
Como se classificados pudessem ser os filhos de Deus.
Como se existisse diferença entre sangue, pele, carne e osso.
Criam diferenças onde há igualdade.
Matam corpos e mentes.
Sem qualquer pudor,
Trabalham pela desigualdade.
Tudo isso para que, ao fim,
E aos seus olhos,
O intolerante seja eu.
Acorda para a vida!
E nota quem te aceita pelo que és.
Quem te acolhe pelo simples fato de respeitar tua existência,
merece a necessária tolerância ao lançar uma opinião.
Dê ao irmão a clemência diante do discurso arbitrário,
E o perdão esbofeteará sua face intolerante,
Arrogante,
Radical…
Talvez desperte de sua ideologia nefasta,
Próxima da patologia mental,
E cure de vez seu coração.
Acalma-te
Sossega
Não quero briga, nem discussão.
Mas, sim!
Discordo de tua opinião.
Vai-te tratar, irmão!
Encontra Deus em tua alma!
Vivendo em paz, te afirmo:
O intolerante, não sou eu.


Harley Wanzeller. 02.08.2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *