Entre beijos, te conheci.

Entre beijos, te conheci.

Entre beijos, te conheci.
Entre abraços e amigos
Nos tornamos nossos preferidos,
E entre beijos fomos ficando.
Sem conhecimento,
Mas com profundo sentimento de…
Sei lá o quê?
Talvez um “quero mais”
Mais daqueles beijos…
Os primeiros,
De quando te conheci.
Entre beijos, desfaleci.
Em teus braços fui especial.
Perdi o juízo.
Fui ao paraíso.
Deixei para trás meu mal,
Do qual bem entendes.
Eu, que defendia a razão,
Passei ao exato oposto.
Naquele dia,
Naquela hora,
Pensei com o coração,
E te busquei incessantemente
Como um doente busca a cura.
Te desejei nua.
Pronto a percorrer teus mapas,
Ler tua bússola,
Teus pergaminhos,
Passear por teus caminhos,
E me encontrar com teu dragão
Para que a ele pudesse me entregar.
Passado o tempo, o dragão não era o mesmo.
Já não cuspia o fogo de antes.
Repleto de mágoas e carência,
Escondia uma menina doce e meiga,
Que simplesmente aguardava uma pessoa.
A única que poderia domar o tal dragão.
Seria eu?
Pois diante de mim, o dragão era quieto.
Pacífico.
Calmo.
Pedia para ser amado.
Foi o que fiz.
O amei como nunca
Orando para que o amanhã nunca nos atingisse.
Ah…
Preces atendidas!
Estamos juntos.
O dragão, os pergaminhos, a bússola, o hoje, o amanhã…
Você, eu…
Todos reunidos,
Ansiosos por viver o conto inacabado.
Iniciado entre os vários beijos dados,
No momento em que te conheci.


Harley Wanzeller. 13.04.2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *